Cubos de gelo no champagne?

A tendência do momento, nascida na Europa, é tomar champagne com cubos de gelo. Claro que a taça é a maior possível… não a flûte.

O drink chamado Piscine é polêmico. Há quem ache um desatino colocar gelo, há os que defendem alegando que a bebida fica mais leve e mais gelada … uma boa alternativa ao verão cada vez mais quente, sobretudo no Sudeste do Brasil, onde a versão já emplacou.

E você, gostaria de tomar champagne com cubos de gelo?

 

piscine-champanhe

Vinhos de Pernambuco ganham medalha de ouro em concurso mundial

Dois vinhos produzidos na região do Vale do São Francisco ganharam medalha de ouro na 10ª edição do Concurso Nacional de Vinhos Finos e Destilados realizado sob a chancela do Concours Mondial de Bruxelles, o maior concurso do gênero no mundo.

Os vinhos Rio Sol Syrah 2012 e Vinha Maria Reserva Selecionada 2010 são produzidos pela Santa Maria, vitivinícula sediada na região há uma década.

No total foram premiados 58 rótulos de vinhos nacionais: 41 vinhos do Rio Grande do Sul, 9 de Santaa Catarina, 4 do Paraná, e 2 de Minas Gerais. O Concurso Mondial de Bruxelles é realizado em diversas cidades pelo mundo, contempando mais de 8 mil amostras de vinhos e destilados dos principais países produtores.

vinho-nordeste-premiado

ExpoVinis: Pizzato é o melhor tinto do Brasil

Pizzato DNA 99: o melhor tinto nacional tem sotaque italiano.

A ExpoVinis 2011 (realizada em março) elegeu o Pizzato DNA 99 é o melhor tinto do país. Segundo os jurados, este vinho foi o responsável por elevar a indústria vitivinícola brasileira a um novo patamar.

A cultura e produção é da Vinícola Pizzato, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves-RS. A família tem origem italiana e sempre produziu vinhos para o próprio consumo. No entanto, só virou negócio em 1998. Um ano depois começou a produzir o Pizzato Merlot em garrafas de 750 ml.

Apresentado ao mercado em 2000, o Pizzato Merlot tornou-se o melhor tinto no Guia de Vinhos Brasileiros. Desde então, a cada ano chama a atenção do mercado nacional e internacional.

Só para ter uma ideia, um painel de degustação montado pela revista alemã Weinwirtschaft em 2010, concedeu 93 pontos (num total de possíveis 100) ao vinho Pizzato DNA99 Single Vineyard Merlot 2005.

A Vinícola Pizzato é aberta a visitação e tem até programação turística para a temporada de colheita das uvas, com cardápio harmonizado com os principais rótulos.

Família Pizzato: herança italiana na produção de vinhos.

 

Cave de armazenamento de vinhos da Pizzato.

 

Degustação dos melhores vinhos nacionais no Expovinis Brasil 2011

A Expovinis é a principal vitrine de vinhos da América Latina. Com público superior a 16 mil pessoas, reúne em São Paulo cerca de 300 expositores do mundo todo.

O Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin – ampliou sua área maior este ano. São 557m² para agregar 31 vinícolas verde-amarela.

A aposta é garantir visibilidade e garimpar prêmios como o que ocorreu no ano passado quando a Villagio Grano ganhou o título de melhor Chardonnay da feira — uma categoria disputada com vinhos do mundo todo.

Outro destaque conquistado em 2008 foi do vinho tinto Rio Sol Cabernet/Shirraz (que na época custava somente R$ 26) e ficou em 1º lugar na categoria vinhos tintos nacional.

Hoje, às 19h tem degustação dos “Melhores Vinhos Nacionais do ExpoVinis Brasil‟, conduzida pelo Master Sommelier João Pires.

15º Salão Internacional do Vinho – Expovinis Brasil 2011
Expo Center Norte, em São Paulo.
Inscrições para degustação: (11) 3141-9444 ramal 140.
Mais informações no site da Expovinis Brasil

Tem Nordeste brasileiro no Mapa Mundial do Vinho

Você sabia que o Brasil já é o 15º produtor mundial de vinhos?

Você sabia que os espumantes são os melhores e os mais premiados vinhos do Brasil?

Você sabia que os melhores vinhedos estão entre os paralelos 30 e 50?

Você sabia que os vinhedos de Pernambuco, no paralelo 8, tem vinhos premiados mesmo contrariam todas as regras da viticultura? Uma das regras “quebradas” é o necessário período de hibernação. No Nordeste, por não ter inverno, isso não acontece porque não há hibernação das parreiras no Vale do São Francisco. A região produz 25 safras por ano — tudo em sequência!

Veja mais informações sobre a produção de vinhos no Brasil e no mundo no Mapa do Vinho.

Conheça as principais regiões, as uvas mais utilizadas e os produtores mais importantes no Mapa do Vinho.

Rolhas de vinho: da cortiça às rolhas sintéticas

Tipos de vedantes usados nos vinhos – da cortiça ao vidro. Clique na foto para ampliar.

Ao longo de séculos a rolha tem ajudado a escrever a história do vinho. Para muitos a rolha de cortiça é parte integrante da imagem da garrafa, mas há vários tipos de vedantes como rolhas sintéticas, tampa de rosca (screwcap) e rolha de vidro.

As alternativas surgiram da acirrada “guerra das rolhas”, ou seja,  rolha de cortiça x rolha sintética.

Grupos comerciais ingleses, americanos e australianos são da linha “pró-sintética”. Mais atentos aos lucros, afirmam que de 10 a 12% da produção são perdidas com cortiças porque alguns vinhos se tornam “bouchonné”. O termo é usado para indicar que o vinho está com cheiro forte ou estragado devido à contaminação das rolhas de cortiça que, por serem de material vegetal, podem sofrer ataques de fungos.

Os grupos da rolha “pró-sintética” defendem que o vinho deve ser tratado como qualquer produto alimentício e argumentam que a contaminação via rolha é inaceitável.

Os “pró-cortiça” enaltecem as virtudes da rolha natural pela sua impermeabilidade, elasticidade, resistência e durabilidade. Criticam a substituição da rolha natural afirmando que na produção do vinho não se deve ter como premissa os lucros e sim a qualidade da bebida. A afirmação se dá porque a cortiça é realmente muito mais cara.

A cortiça vem da casca de uma árvore chamada sobrero. Apesar de ter vida útil de cerca de 150 anos, a primeira extração é feita quando o sobreiro tem cerca de 20 anos, sendo que as seguintes extrações têm um intervalo de dez anos. Detalhe importante: a cortiça adequada para a fabricação de rolhas só é obtida a partir da terceira extração. Claro que só isso já justificaria o alto valor da rolha e, em consequência, do vinho.

Alguns especialistas afirmam que a tecnologia moderna ainda não conseguiu criar um substituto para a rolha de cortiça natural e aconselham apenas o seu uso em vinho de consumo rápido (um, dois anos máximo).

A screwcap (rosca) tem sido o vedante mais popular, principalmente na Austrália e Nova Zelândia. Nestes países, a screwcap é o vedante escolhido para vinhos brancos, rosés e tintos jovens por 70% da produção nacional. Na Europa, tanto a rolha sintética como a tampa de rosca ainda têm imagem ruim perante os consumidores: os vinhos com estas vedações são vistos como vinho barato, de todos os dias. De qualquer forma, a maioria já apresenta micro-furos que permitem a passagem de ar, resultado da tecnologia. Vinhos  franceses, americanos e alguns chilenos e argentinos já estão adotando este novo formato.

O vedante de vidro, usado principalmente por muitos produtores de vinho alemão e austríaco, é outro vedante considerado eficaz, mas também tem preço elevado.

Os primeiros vinhos a entrar no mercado com este tipo de tampa devem ser vistos em 2011.

Saiba mais em Revista dos Vinhos e na rede social de vinhos Wine Tag

Veja tipos de rolha em Mar de Vinho

O valor econômico, social e ambiental do sobreiro árvore de onde se extrai a cortiça em WWF

Museu da Cortiça

Foto: Fast Company

Campanha promove vinhos brasileiros

Com o conceito “Abra sua cabeça, abra um vinho brasileiro” a Abravin pretende alavancar as vendas dos vinhos nacionais no mercado interno e externo.

A campanha tem como ícone saca-rolhas verde e amarelo criado pelos designers Humberto e Fernando Campana, os internacionalmente conhecidos Irmãos Campana. A imagem procura dar identidade comum para Vinhos do Brasil.

Maior país da América Latina e terceiro maior produtor da América do Sul, o Brasil é um legítimo representante dos países reunidos no chamado Novo Mundo do vinho, mas com características peculiares que o diferenciam de todas as demais nações.

A ideia é mostrar que o vinho brasileiro é alegre, jovem, autêntico, antenado e focado nas pessoas que procuram uma vida mais alegre e são atentas a novas experiências.

A mensagem será utilizada nas mais de 25 feiras e eventos nacionais e internacionais que o Ibravin e o Projeto Setorial Wines From Brazil participarão este ano.

Saca-rolhas dos Irmãos Campana à venda À venda no tramontinadesigncollection.com (R$ 360).

Conheça o site da Ibravin e o site Vinhos do Brasil.